Fatores desencadeantes da fibromialgia

O Dr. Manuel Martínez Lavín, um dos principais especialistas em Fibromialgia, nos oferece este resumo informativo para disseminar a fibromialgia com base em pesquisas práticas.

Fatores desencadeantes da fibromialgia

O tema geral é a etiopatogenia ou causa-origem da fibromialgia, ou seja, os mecanismos ou os diversos fatores genéticos e ambientais que predispõem e afetam o desenvolvimento da doença e que levam à fibromialgia,

Segundo o Dr. Manuel Martínez Lavín, a fibromialgia é enquadrada como uma síndrome de dor neuropática mantida pela hiperatividade simpática. Como a fibromialgia é uma condição relacionada ao estresse, também discute o que poderia ser o centro nervoso em sua patogênese: a maneira pela qual o sofrimento pode ser transformado em dor crônica.

Predisposição genética

Para o Dr. Manuel Martínez Lavín, existe uma predisposição genética para o desenvolvimento da fibromialgia. Os parentes diretos dos afetados são oito vezes mais propensos a desenvolver a doença do que a população geral. Estudos em indivíduos gêmeos sugerem que aproximadamente 50% dos fatores que levam à fibromialgia são hereditários e a outra metade ambiental.

Vários grupos de pesquisadores se concentraram em estudar variações em genes relacionados ao sistema de resposta ao estresse. A maioria dos estudos foi positiva.pacientes com fibromialgia têm diferentes polimorfismos da catecol-O-metil e serotonina e está associada com um enzima deficiente na sua capacidade para degradar as catecolaminas (adrenalina) e receptores adrenérgicos disfuncionais.

Fatores ambientais

Um estudo realizado com indivíduos nascidos na Grã-Bretanha em 1958 permitiu a definição prospectiva de vários eventos no curso da vida das pessoas, o que poderia ser um fator de risco para o desenvolvimento subsequente da dor generalizada crônica.Essas situações foram: eventos adversos durante a infância, como conflitos familiares, a morte do pai ou da mãe, limitações econômicas ou socialização inadequada nos anos escolares. Também sugere que um estilo de vida insano é outro fator de risco para o desenvolvimento desse tipo de sintoma. A ingestão de junk food, obesidade, inatividade física e tabagismo aumentam o risco de desenvolver dor crônica.

Lesões físicas, particularmente acidentes de carro onde ocorre um “whiplash” da coluna cervical, são outro evento desencadeante da fibromialgia. Também os vários traumas emocionais, incluindo abuso sexual, assédio no local de trabalho, divórcio ou a morte de um ente querido. Os combatentes de várias guerras desenvolvem síndromes semelhantes à fibromialgia.

Alguns agentes infecciosos também podem favorecer o desenvolvimento da fibromialgia,

Estresse e angústia

Segundo o Dr. Martínez Lavín, é evidente que o desenvolvimento da fibromialgia está associado a estressores, sejam eles físicos, infecciosos ou emocionais. Para ele, o estresse é “qualquer estímulo, físico ou emocional, que atente contra a homeostase”.Distress, cunhada por Selye, é a resposta desadaptativa ao estresse que produz danos físicos e emocionais.

A angústia é frequente na fibromialgia. Ansiedade e depressão são duas manifestações comuns. Muitas vezes as pessoas que sofrem de fibromialgia têm uma personalidade rígida e perfeccionista. Eles são obsessivos em realizar suas tarefas dentro e fora de casa e exercitam auto-sacrifício para cuidar de seus entes queridos.

Dr. Martinez Lavin mencionado alterações de CSF, especialmente Vaeroy descritos níveis elevados de P (dor neurotransmissor primário) substância em pacientes com fibromialgia. Em relação à imagem funcional, o grupo de Mountz com fibromialgia encontrou diminuição do fluxo sanguíneo no tálamo e no núcleo caudado. O tálamo é um centro para processamento de dor e função autonômica. grupo Gracely pressionado o polegar de pacientes com fibromialgia para causar dor intensa, foi suficiente pressão 2.4.kg/cm2 média em comparação com 4,2 kg / cm2 de som. Ao realizar fMRI durante a sensação de dor intensa, áreas do cérebro que registram a dor ocorreram em pacientes e controles,

Distúrbio do sono.

Os estudos eletroencefalográficos de Moldofsky e seus colaboradores mostraram que pacientes com fibromialgia tiveram uma intrusão de ondas alfa nos estados profundos do sono, e até desenvolveram dor difusa e alodinia. Estudos mais recentes mostraram que pessoas com fibromialgia têm um aumento nos episódios de despertares e despertares.

Fenômeno de ressonância.

O grupo do Dr. Staud mostrou que em pessoas com fibromialgia há um fenômeno de ressonância para estímulos dolorosos, o que revela uma sensibilização do sistema somatossensorial.

Conclusão

Para o Dr. Martínez Lavín, a fibromialgia é uma síndrome de dor neuropática mantida por hiperatividade simpática baseada nos três seguintes argumentos:

– A presença de dor crônica sem qualquer dano à estrutura do corpo.

– A presença de alodinia como manifestação fundamental da fibromialgia.

– A presença de parestesias como sintomas que distinguem a condição.

Ele propõe que a fibromialgia é uma síndrome mantida pela hiperatividade simpática baseada nos três seguintes argumentos:

– Seu freqüente início pós-traumático.

– Dados de dominância simpática incessante.

– O estudo que mostrou que pessoas com fibromialgia têm dor induzida pela injeção de noradrenalina (adrenalina).

Outra contribuição do Dr. Martínez Lavín para o conhecimento da etiopatogenia da fibromialgia é como o sofrimento pode ser transformado em dor crônica. A disautonomia da fibromialgia, condensa os importantes achados patogênicos descritos por outros grupos de pesquisadores em uma explicação abrangente. A disautonomia é uma explicação clara para distúrbios do sono e fadiga crônica.

Source
+ news
Author: admin

www.mafibromavie.com #news #info #fibromialgie #fibromyalgie #fibromialgia #Fibromyalgia #fibro #fibrowarrior #vie #vida #life #health #santé #salud #follow